I know we’ve been through this before

E ai???

Bem?

O mundo em crise… e nós aqui!

O mundo em crise…e a música meio vem a combinar com o caos.

O mundo em crise, mas temos que prosseguir! = D

Trecho legal da letra:

You’ve got a nerve to be asking a favor
You’ve got a nerve to be calling my number
Can’t you hear me, I’m bleeding on the wall?
Can’t you see me, I’m pounding on your door?

Can’t you hear me when I’m calling out your name?
When I used to go out, I would know everyone that I saw
Now I go out alone if I go out at all

Música recomendada para:

Essa música tem um pouco cara de momentos de raiva… e certo desespero!
Parece um desabafo…
Passa um sentimento de fim de relacionamentos….
Combina com dias chuvosos, noites escuras….. parece trilha sonora de filme!

– Legal ouvir em/no:

Quando se está meio p. da vida! = D .

Uma musica forte… rock n roll, neh? 

-Sobre a música/banda:

– A música de hoje tem pegada… hehehe.. Sangue nos zóio!!! hehehe é o que podemos considerar uma música selvagem… principalmente a bateria! hehehehe E logicamente o vocal! Enfim…adooooro!

Pra quem curte covers segue uma versao inusitada da Florence and the Machine!

Pra terminar combinando com a música (The Rat) e a crise mundial um poema que achei legal!

Beijo e hasta outro dia melhor, e  santo.

A Um Rato Morto Encontrado Num Parque

Este findou aqui sua vasta carreira
de rato vivo e escuro ante as constelações
a sua pequena medida não humilha
senão àqueles que tudo querem imenso
e só sabem pensar em termos de homem ou árvore
pois decerto este rato destinou como soube (e até como não soube)
o milagre das patas – tão junto ao focinho! –
que afinal estavam justas, servindo muito bem
para agatanhar, fugir, segurar o alimento, voltar
atrás de repente, quando necessário
Está pois tudo certo, ó “Deus dos cemitérios pequenos”?
Mas quem sabe quem sabe quando há engano
nos escritórios do inferno? Quem poderá dizer
que não era para príncipe ou julgador de povos
o ímpeto primeiro desta criação
irrisória para o mundo – com mundo nela?
Tantas preocupações às donas de casa – e aos médicos –
ele dava!
Como brincar ao bem e ao mal se estes nos faltam?
Algum rapazola entendeu sua esta vida tão ímpar
e passou nela a roda com que se amam
olhos nos olhos – vítima e carrasco
Não tinha amigos? Enganava os pais?
Ia por ali fora, minúsculo corpo divertido
e agora parado, aquoso, cheira mal.
Sem abuso
que final há-de dar-se a este poema?
Romântico? Clássico? Regionalista?
Como acabar com um corpo corajoso e humílimo
morto em pleno exercício da sua lira?

Mário Cesariny

Publicado em agosto 9, 2011, em Cultura, Filosofando, Música, Música pelo mundo e marcado como , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: